Categoria: Jiu Jitsu (Página 1 de 3)

Reassuma o controle da sua vida

Na semana passada eu recebi o contato de três pessoas que haviam se deixado levar pelas emoções e perdido o controle.

Você alguma vez já saiu do seu caminho porque se deixou balançar por uma ação externa à você?

Alguém já te ofendeu ou dissuadiu a sair do seu caminho?

Isto acontece o tempo todo no tatame… e fora dele.

Ler mais

Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Duas razões pelas quais nós perdemos boas oportunidades

Eu tenho um comportamento bem interessante quando estou treinando jiu jitsu que percebo se transportar para a minha vida fora do tatame.

Quando eu tento fazer algum movimento um pouco mais arriscado, hesito, dou uma paradinha ou faço esse movimento tão devagar a ponto do meu companheiro de treino perceber a jogada que vem logo depois.

Há também as vezes em que eu consigo atingir uma boa posição de controle, mas ansioso por finalizar meu companheiro, acabo fazendo um movimento errado dando brecha para um contra-golpe.

Acho que já faz um ano que eu vivo nesse vai-não-vai.

Quando eu era faixa branca, arriscava mais…

Ler mais

Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Pare de fazer o louco

Sabe aquele camarada que fica correndo pra lá e pra cá “mostrando serviço”?

Que ao mesmo tempo responde e-mail, conversa no WhatsApp e atende o telefone?

Quem olhar de fora poderá pensar que ele é um “excelente” trabalhador, mas se você parar um segundo, você vai pensar justamente que ele não deveria estar trabalhando com você.

Ler mais

Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Onde o seu coração quer estar?

Após umas 5 semanas afastado do jiu jitsu por causa de problemas pessoais, trabalho e reorganização de agenda, voltei hoje ao tatame.

Cheguei uns 20 minutos antes, cumprimentei o pessoal que estava na recepção, fui me trocar e logo depois estava pisando no tatame branco da Atos Curitiba que tanto me faz bem.

Naquele momento eu percebi que acontecesse o que acontecesse na minha vida daquele lugar eu não poderia me afastar porque o meu coração se sentia vivo ali.

Não importa se eu vou ficar ofegante logo depois do aquecimento ou se vou tomar muito amasso durante o treino.

Não importa.

Ler mais

Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Mestre

O senso comum interpreta que quando nos dirigimos a alguém como mestre significa que assim o chamamos porque esse alguém nos guia.

Ou seja, existe uma relação de parceria entre mestre e discípulo deixando o mestre acima deste último.

Entretanto, mestre, antes de mais nada, é mestre de si mesmo, não mestre dos outros.

Os outros, seus discípulos, admiradores e críticos, apenas compartilham da vida de quem está no caminho de ser mestre para fazê-lo trabalhar o seu mestrado sobre si.

Um dos melhores exemplos que eu tenho sobre isso aconteceu quando eu frequentava as reuniões de um templo budista no Rio de Janeiro.

Ler mais

Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Qual é a sua arte?

Você já deve ter reparado que os lutadores de esportes sobre o tatame reverenciam o mesmo antes de entrarem nele, certo?
 
Esportes como karatê, judô ou jiu-jitsu têm essa mesma prática.
 
Usando a alegoria que o tatame representa o mundo, no jiu-jitsu eu aprendi que essa reverência visa agradecer a oportunidade de poder praticar a sua arte ao mesmo tempo que deixar o seu ego fora dali.
 
Baseado nisso, o que é o mundo as pessoas que nele estão?
 
O mundo é o espaço propício para você aprimorar os seus talentos e refinar as suas técnicas para se tornar melhor na sua arte.
 
E as pessoas que junto de você estão no mundo são seus companheiros de treino que estão ali dispostos a confrontar-se com você para ao mesmo tempo aperfeiçoarem a sua arte e a deles.
 
E eu fico me perguntando:
 
“Por que nós entramos no mundo e lidamos com essas outras pessoas que nos impõem amassos, torções e estrangulamentos?”
 
Simples.
 
Porque é divino aperfeiçoar a sua própria arte e só no mundo e com os nossos companheiros é que podemos fazer isso.
 
É quando estamos presos dentro da carne, cansados e suando que temos a possibilidade de enxergar como a nossa natureza funciona e como podemos aperfeiçoar a nossa arte.
 
E quando acabar o treino de 4, 6 ou 10 minutos e descansarmos aqueles 30 segundos, tenha certeza que por causa da arte, vamos querer retornar para um novo treino.
 
Portanto, a pergunta que você deve se fazer hoje é:
 
“QUAL É A MINHA ARTE?”
 
E se colocar no mundo para praticá-la a todo momento, todos os dias, durante toda a vida, enquanto durar o seu treino.
Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Jóias raras

Qual tipo de sucesso você está perseguindo?
 
  • Ficar rico?
  • Ficar famoso?
  • Ser campeão mundial?
Seja qual for o tipo de sucesso que você esteja perseguindo, como você ficará se você não conseguir alcançá-lo?
 
A maioria de nós persegue sonhos vendidos por outras pessoas porque temos preguiça de olhar para dentro e perceber a função que devemos desempenhar.
 
  • Seguimos os 10 passos para ser feliz.
  • Filosofamos sobre as 62 maneiras de satisfazer uma mulher na cama.
  • Compramos fórmulas que prometem encurtar o caminho para a felicidade.
Mas o que é a felicidade se não ser coerente consigo mesmo.
 
Feliz é aquele que não abandona a si mesmo em troca de pequenos favores do mundo.
 
Um campeão não é campeão porque chegou em primeiro lugar em um determinado dia, mas porque durante todos os dias anteriores àquele treinou para ser melhor naquilo que ele tinha que fazer.
 
Portanto, antes de comprar um caminho e se dedicar a ele com sacrifício e tenacidade, descubra dentro de você as ferramentas necessárias para abir o seu próprio caminho no mundo e construir a sua própria biografia.
 
Lembre-se que a morte nos espera na próxima esquina e se medirmos o nosso grau de felicidade por aquilo que alcançamos no mundo, nunca seremos felizes.
 
Entretanto, se medirmos a nossa felicidade por aquilo que alcançamos internamente, some o medo da morte, o desejo por satisfação, a neblina da angústia e sobra a felicidade onde ela sempre deveria estar.
 
No agora.
 
Olhe pra dentro, onde estão as jóias mais caras e raras que você poderá conquistar.
Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Em que posso ser útil?

  • O que faz alguém mais experiente querer ensinar algo para o menos experiente?
  • O que faz um PhD querer ensinar algo para vestibulandos?
  • O que faz um faixa preta querer ensinar algo para um faixa branca?
Outro dia estava tendo aula na academia de jiu jitsu com um professor que já foi cinco vezes campeão mundial.
 
Apesar de simples, a posição não era dominada por nós alunos, levando a várias dúvidas e muitas repetições do movimento.
 
Isso durou uma semana.
 
A mesma posição, sendo ensinada, repetida e treinada várias vezes.
 
O que faz um cara deste nível ensinar aos outros coisas que ele já sabe de cor e que para ele são bem básicas?
 
Vou responder: senso de utilidade.
 
Todos nós sabemos alguma coisa de útil que poderíamos transmitir para as outras pessoas, mas nossa baixo auto-estima insiste em nos fazer acreditar que aquilo que temos não tem utilidade.
 
Acreditamos que aquilo que poderíamos ensinar é básico demais e que não vale à pena ser ensinado.
 
Ignoramos o fato de que ao ensinar aprimoramos aquilo que já temos como o professor cinco vezes campeão mundial do exemplo acima.
 
Todas as vezes que ele ensina a mesma posição todos os dias, ele refina aquilo que ele já sabe, podendo também enxergar aquilo que as outras pessoas fazem de diferente dele.
 
Se você quiser se tornar bom em algo, precisa passar para frente aquilo que você já sabe.
 
Não porque você com isso ajudará os outros, mas porque você acabará ajudando a si próprio, todos os dias, a ser alguém melhor que você era ontem.
Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Todo sufoco passa

“Cada um de nós está lutando contra sua própria extinção.” ~ Clóvis de Barros Filho

Essas primeiras semanas de tentativa de retorno para o jiu jitsu tem sido tristes.

Ainda não encontrei um horário certo pra treinar.

Vou num dia, falto dois.

Vou num horário, depois vou em outro.

sem ritmo.

Enfim…

Mas o principal tem sido os sufocos que passei nos poucos treinos que fui e com os quais estou aprendendo a lidar.

Nesses treinos eu não fiz nada a não ser me defender ao máximo dos sufocos que meus parceiros de treino me impunham.

Segura ali, amarra aqui, controla a respiração, se fecha de todas as maneiras…

O que me levou a descoberta de mais uma filosofia atrás desse retorno sufocante que quero compartilhar com você que talvez esteja tomando algum sufoco da vida neste momento.

TODO SUFOCO PASSA

Digo isto porque existe uma força que age além das nossas ações chamada tempo que desfaz qualquer amasso.

É o tempo que irá garantir que quanto mais você resista e se defenda do sufoco, menos poderoso ele vai ficando contra você.

No início do sufoco é um desespero.

Parece que o mundo está desabando na sua frente, mas conforme o tempo vai passando você vai meio que descobrindo as manhas pra resistir aquilo.

Você começa a controlar a sua respiração, depois toma consciência de onde você está, de como está se sentindo, vai pegando ritmo, recuperando a força e assim por diante.

E quando dá por si, percebe que aquele sufoco tão violento já não é tão forte assim.

O tempo correu.

Se você estiver passando por um sufoco da vida, preocupe-se em manter seu corpo, sua mente e sua alma vivos concedendo ao tempo a oportunidade de aliviar a pressão.

Mesmo que você não descubra uma saída, mas consiga se manter vivo, não se preocupe, pois o tempo se encarregará de soar o gongo e a vida vai parar de te amassar.

TODO SUFOCO PASSA

“Por detrás de tudo o que o homem pensa e de tudo o que o homem faz, reside o mesmo fundamento que você encontra numa planta que apesar da hostilidade do mundo, resiste em busca de continuar viva.” ~ Clóvis de Barros Filho

Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Nenhum caminho é errado

Você já pegou o caminho errado para chegar a algum lugar?

Provavelmente sim.

Dizemos que um caminho é errado quando ele não nos leva na direção de onde queríamos ir, mas todo caminho é caminho.

Vou explicar por que.

Hoje a aula de jiu jitsu foi diferente…

Como estou sem carro, saí de casa uma hora e meia antes da aula começar porque não sabia direito quanto tempo levaria de ônibus até lá.

Aqui em Curitiba, tem tubos onde passam dois ou mais ônibus para direções diferentes.

Daí eu juro que olhei a placa do ônibus, mas acabei pegando o ônibus errado e só percebi isso depois que eu estava passando pelo mesmo lugar onde tinha pego o ônibus, só que na direção oposta, uns 20 minutos depois.

Ok, tudo bem.

Perguntei para a pessoa que estava do meu lado onde era o próximo terminal.

Ela me orientou e lá fui eu corrigir o caminho.

Saltei no terminal, peguei o ônibus que eu deveria ter pego originalmente voltando na direção que eu estava indo.

Fui até o outro terminal onde teria que pegar o ônibus para o terminal final mais próximo da academia e quando saltei lá, faltando meia hora pra chegar na academia cometo mais um erro.

Ao invés de perguntar, olhei no Google qual ônibus eu poderia pegar no terminal que me deixaria próximo da academia.

O Google respondeu bonitinho.

Disse que o ônibus chegaria em 2 minutos ali e depois levaria mais 3 minutos para chegar na rua da academia.

Só que eu, confiando no Google, peguei outro ônibus, dessa vez um verde, indo na direção contrária que me levou 40 minutos depois para o primeiro terminal de ônibus onde eu havia cometido o primeiro erro.

Lá eu peguei o primeiro ônibus de novo e voltei pra casa duas horas depois de ter saído e ter ficado passeando por Curitiba.

Eu posso ficar remoendo essa história e repetindo para mim mesmo o quanto eu fui distraído e burro OU tirar dela uma lição importantíssima para as próximas vezes que eu for para a academia de ônibus.

  • Aprendi que é muito mais rápido pegar o ônibus no caminho contrário do que eu pensava originalmente porque ele me deixa na rua que eu preciso descer.
  • Aprendi também que ônibus verdes funcionam também com dinheiro, não só com cartão.
  • E por fim, ainda pude aprender que por mais que estejamos cheios de boa intenção e com um imenso desejo de chegar onde queremos, às vezes é necessário “errar” o caminho para aprender algo que não aprenderia se tivesse “acertado”.

Com menos culpa no coração e mais perdão nas atitudes, podemos vivenciar melhor nossos “caminhos errados” e absorver todo aprendizado que eles são capazes de nos mostrar.

Todo caminho é digno e bonito, mesmo aqueles que julgamos “errados”.

Praticante de jiu jitsu, apaixonado por filosofia, escritor, coach, palestrante e um impulsionador de pessoas. Desde 2008 mantém este projeto no ar para ajudar pessoas a superar seus medos e suas crenças e se tornarem elas mesmas. Saiba mais sobre Marcos Rezende.

Página 1 de 3

Desenvolvido em WordPress & Tema por DoutorWP