Como diminuir as suas chances de cometer erros

Você já percebeu que depois de ter um aborrecimento parece que ficamos com um zumbido na cabeça?

Sim! Um zumbido!

Quando algo acontece conosco, principalmente quando envolve outras pessoas, parece que a nossa mente gera um milhão de alternativas para aquele aborrecimento além da realidade do que aconteceu.

Nós começamos a imaginar o que nós vamos falar ou fazer quando a pessoa falar ou fizer isto e aquilo.

Imaginamos também o que poderíamos ter dito ou feito quando a pessoa disse ou fez isto e aquilo e com isso ficamos com um zumbidásso na cabeça.

Este post também possui uma versão em áudio. Clique no player abaixo para ouvir.

Não importa o que façamos (se estamos comendo ou arrumando a cama) aquelas possibilidades das prováveis situações que poderiam ter ocorrido ou que poderão ocorrer ficam levando nossa atenção daqui pra lá e de lá pra cá fazendo com que nos tornemos uma bomba relógio.

  • Você já explodiu com algo ou alguém do nada?
  • Ou você já fez algo bem estúpido que se arrependeu depois?
  • Ou ao menos você já falou algo que não teria feito falta se não tivesse sido dito?

As chances de cometermos erros aumentam na medida que paramos de prestar atenção naquilo que estamos decidindo.

É você se distrair para passar cinco segundos e você estar comprometido com a pessoa errada, trabalhando no projeto errado ou viajando na direção errada.

Você sabe do que estou falando…

Assim como você e qualquer outro ser humano da face da Terra eu também me aborreço.

E assim como me aborreço, também percebo que passados alguns minutos ou até horas ou dias (dependendo do meu nível de apego ao aborrecimento) eu ainda fico pensando naquilo.

Pior.

Fico pensando nas alternativas do que poderia ter acontecido e do que eu poderia ter feito ou nas alternativas do que pode vir a acontecer e no que eu posso vir a fazer.

Para controlar e diminuir esse zumbido maluco de vozes loucas falando de coisas que não aconteceram e que talvez não venham a acontecer eu comecei a meditar.

Sim, sentar, ficar quieto de olho fechado por dez minutos e apenas respirar.

Respirando e percebendo que não é possível manter a concentração por mais de três segundos sem o corpo ou a mente balancem em alguma direção.

Nos primeiros dias o sentimento de fracasso é terrível, mas logo depois que o seu corpo e a sua mente acostumam com essa “situação desconfortável” de não fazer ou pensar nada, você começa a se desapegar das loucuras da mente e a deixar todas essas situações malucas e imaginárias de lado.

É como se você permitisse através da meditação que a sujeira da superfície de uma piscina começasse a se depositar no fundo para ser sugada depois pelo ralo.

Como você para de agitar a água, o processo de limpeza da água se torna mais rápido e você começa a voltar a sua mente para a verdadeira realidade daquilo que está acontecendo com você.

Ou seja: nada.

Esta foi a melhor maneira que eu encontrei para lidar com todos os meus problemas e aborrecimentos porque quanto mais você pensa nos problemas ou nos aborrecimentos, mais peso você atribui a eles ao invés de vê-los como eles exatamente são.

Papo para o próximo post…

  • Leninha Cabral

    Hummm eu passo pouco por isso, mas ainda passo. Vou passar a meditar.