Duas razões pelas quais nós perdemos boas oportunidades

Eu tenho um comportamento bem interessante quando estou treinando jiu jitsu que percebo se transportar para a minha vida fora do tatame.

Quando eu tento fazer algum movimento um pouco mais arriscado, hesito, dou uma paradinha ou faço esse movimento tão devagar a ponto do meu companheiro de treino perceber a jogada que vem logo depois.

Há também as vezes em que eu consigo atingir uma boa posição de controle, mas ansioso por finalizar meu companheiro, acabo fazendo um movimento errado dando brecha para um contra-golpe.

Acho que já faz um ano que eu vivo nesse vai-não-vai.

Quando eu era faixa branca, arriscava mais…

Agora a oportunidade se apresenta e eu, ao invés de me movimentar com confiança e segurança, ou tenho medo de não conseguir ou me desespero para conseguir logo.

Na vida, assim como no tatame, nós perdemos oportunidades por essas duas razões:

Medo e ansiedade.

Com base no que nos aconteceu de ruim no passado, temos medo de seguir adiante para que os males não se repitam.

Com base no que sonhamos conquistar no futuro, ficamos ansiosos por chegar logo lá e atropelamos etapas importantes e necessárias.

Acho que fazem duas ou três semanas que eu consegui ficar por cima de um dos meus companheiros de treino e controlando a posição, apliquei-lhe um estrangulamento.

Antes disso ou depois disso, nunca mais.

Até que meus companheiros de treino me disseram:

“O dia que você confiar mais em você e no seu jogo você vai se sair muito melhor.”

Evidentemente eles não perceberam a mensagem poderosa que havia por trás dessa afirmação, mas desde aquele dia isso vem ressoando na minha cabeça.

  • Por quê eu não faço o meu jogo?
  • Por quê vira e mexe eu me meto em uma roubada?

Há dias eu venho me fazendo essas duas perguntas e me motivando a fazer o meu jogo ao invés de resistir ao jogo dos outros.

Tanto no tatame, como aqui fora.

E você, está fazendo o seu jogo ou está se metendo em roubada?