Tudo que é certo já foi feito

Qual negócio você pretende abrir? Uma pastelaria, birô de impressão ou uma escola? Seja qual negócio for, você só irá realmente atrair a atenção do mercado se investir naquilo que ainda não é certo. Não era “certo” termos computadores em casa ou carros de diferentes cores e modelos na garagem. Assim como também não era “certo” ter uma máquina de lavar roupas na nossa própria casa ou morarmos uns sobre a cabeça dos outros em apartamentos. Menos ainda, era “certo” gastarmos mais tempo com entretenimento do que com educação ou beber um líquido refrigerado e gasoso ao invés de água ou sucos. Em todos esses casos foi preciso que alguém fosse em direção a incerteza para construir um negócio em torno de uma necessidade que ainda não existia.

Recentemente terminei a leitura de Lidando com a Incerteza de Jonathan Fields publicado aqui no Brasil pela Editora Novatec. Um livro que aborda as observações sobre a vida de um cara que assinou o contrato de aluguel do seu estúdio de ioga em Nova York um dia antes do atentado de 11 de setembro de 2001 e aprendeu a lidar com a incerteza de forma corajosa e ousada. A partir desse ponto da sua história, Jonathan passou a observar, analisar e pesquisar o comportamento humano quando em contato com o mistério da incerteza que apesar de ter esse nome (incerteza), é a coisa mais certa da vida.

Os três cavaleiros místicos da criação

“(…) Um dos maiores fatores determinantes do sucesso de alto nível como inovador ou criador em qualquer área é a capacidade de gerenciar e, às vezes, de procurar altos níveis sustentados de incerteza, acompanhados afetuosamente do risco de perda e da exposição à crítica.(…)”

Segundo Jonathan, esses três cavaleiros místicos (incerteza, risco de perda e exposição à crítica) devem não só ser procurados, mas acolhidos continuamente e com níveis crescentes de intensidade durante longos períodos de tempo, afirmando que na verdade, muitas vezes, eles são sinais de que chegamos ao próximo passo crucial da criação.

Logo assim que tomamos a decisão de abrir uma empresa ou de sair da nossa zona de conforto, nos deparamos com esses três cavaleiros místicos. Primeiro encaramos a incerteza de um futuro sem controle e precedentes. Como não fizemos aquilo que estamos pretendendo fazer antes, não temos um histórico de acontecimentos para nos salvaguardar dos problemas que poderemos enfrentar. Depois encaramos o risco de perder algo, nem que seja a posição que tínhamos até o momento em que nos decidimos por inovar. Podemos perder dinheiro, tempo, confiança e respeito dos familiares e amigos, dentre outras perdas secundárias. Por último, encaramos a exposição à crítica nossa e das pessoas que nos cercam a respeito daquilo que pretendemos fazer. Nossos pais poderão falar para procurarmos algo mais “seguro” que implementar a nossa ideia e nossos amigos chamarão de loucura abandonarmos um bom emprego para nos dedicarmos a nossa paixão, a nossa arte. Coisas que empreendedores lidam todos os dias.

No livro não só pude identificar como funciona a mentalidade da criação como também aprendi a dar mais valor para a incerteza, pois como o próprio Jonathan afirma: “Quanto mais certeza prévia você tiver sobre a resposta ou resultado, maior a probabilidade desse algo já ter sido realizado e menor importância darão a isso, inclusive a você”. Logo, quanto mais incerteza temos dos nossos projetos, melhor. Hoje penso que se meus projetos me colocam de frente com estes três cavaleiros, é um bom sinal de que é este caminho de inovação que devo percorrer. Começar a empreender em algo que dá um dinheiro certo todo mês, onde se faz as coisas sempre da mesma maneira, sem riscos e exposição a crítica, não tem nada a ver com o perfil de um empreendedor, pois é um lugar comum como tudo o que era “certo” e feito tempos atrás por todos os outros.

Seja dono do roteiro da sua vida

O livro ensina como podemos encontrar nossas âncoras de certeza, construir a nossa colmeia e como podemos socializar a nossa criação. Ensina também como treinar o nosso cérebro e a nossa atenção transformando medo em combustível para promover uma atitude mental de crescimento. Toda essa informação contribuindo para o grand finale quando Jonathan motiva o leitor a ser dono do roteiro da sua vida.

Para mergulhar na incerteza e ir fundo no projeto pelo o qual somos apaixonados, precisamos encarar a nossa vida como um projeto e não como um momento singular ou alguns momentos apenas. Encarar a vida como um projeto é um dos grandes truques das pessoas bem sucedidas porque elas acabam percebendo que mesmo errando estão construindo o projeto da vida que planejaram. Como no caso do Jonathan que fechou o contrato de aluguel do seu estúdio de ioga um dia antes do atentado de 11 de setembro e teve que tirar deste “problema” lições para a sua vida como empreendedor. Ou mesmo qualquer grande cientista, artista ou empreendedor que antes de obter sucesso precisou validar suas premissas atirando-se na incerteza, assumindo riscso e expondo-se a críticas.

Se você chegou aqui com medo de assumir riscos e empreender, este livro lhe dará uma boa dose de ânimo e informação para tirar a sua ideia do papel. Leitores do Insistimento têm 20% de desconto para compra do livro no site da Novatec através deste link. Basta digitar o código de desconto INSISTIMENTO no carrinho de compras.

[divider]

Você concorda com Jonathan e acredita que a incerteza é o que temos de mais seguro na vida? Compartilhe suas ideias comentando abaixo.


Conteúdo extra: baixe o livro Como Investir Começando do Zero e aprenda como funciona o mundo do dinheiro (recomendado para pais e filhos).