É possível tratar a ejaculação precoce com medicamentos?

A ejaculação precoce é uma das disfunções sexuais mais conhecidas entre os homens, e ocorre quando, em uma relação, o homem ejacula mais cedo do que o esperado. Para se caracterizar um caso de ejaculação precoce, não basta ter ocorrido uma vez, mas sim diversas vezes ao longo de um certo período de tempo. De acordo com uma pesquisa de 2020, 48% dos homens relataram já ter sofrido com problemas de ejaculação.

Nesse artigo, você poderá entender se e quais medicamentos podem, de fato, ajudar no tratamento da ejaculação precoce.

Diagnóstico

Antes de iniciar um tratamento medicamentoso para problemas de ejaculação, você deve consultar um especialista, como um médico urologista. Ele perguntará sobre os sinais que o levaram a buscar a consulta, sua vida sexual e também sobre seu histórico de saúde, podendo até mesmo fazer um exame físico. Se você tiver tanto ejaculação precoce quanto problemas para conseguir ou manter uma ereção, seu médico poderá solicitar exames de sangue para verificar seus níveis de hormônio masculino (testosterona) ou outros exames.

Em alguns casos, seu médico pode sugerir que você vá a um profissional de saúde mental, como por exemplo um psicólogo especializado em disfunções sexuais.

Tratamento

Há diversas formas de como tratar a ejaculação precoce. As opções de tratamento mais comuns incluem técnicas comportamentais, anestésicos tópicos, medicamentos e aconselhamento. Tenha em mente que pode levar tempo para encontrar o tratamento ou a combinação de tratamentos que funcionam melhor para você. O tratamento comportamental junto à terapia com medicamentos pode tornar o percurso mais eficaz.

Existem também modos de como tratar ejaculação precoce de forma natural, mas pensando nos medicamentos, quais são os tratamentos mais comuns e mais utilizados contra os problemas de ejaculação?

Medicamentos

Anestésicos tópicos

Cremes e sprays anestésicos que contêm um agente anestésico, como a benzocaína, lidocaína ou prilocaína, são às vezes usados para tratar a ejaculação precoce. Estes produtos são aplicados no pênis 10 a 15 minutos antes do sexo para reduzir a sensação e ajudar a retardar a ejaculação.

Um creme de lidocaína e prilocaína para a ejaculação precoce (EMLA) está disponível através de prescrição médica. Os sprays de lidocaína para a ejaculação precoce, por sua vez, estão disponíveis sem prescrição médica.

Embora os agentes anestésicos tópicos sejam eficazes e bem tolerados, eles têm efeitos colaterais potenciais. Por exemplo, alguns homens relatam perda temporária de sensibilidade e diminuição do prazer sexual. Algumas vezes, as parceiras ou parceiros também relataram estes efeitos.

Medicamentos orais

Muitos medicamentos podem retardar o orgasmo, incluindo antidepressivos, analgésicos e inibidores de fosfodiesterase 5. Estes medicamentos podem ser prescritos para uso diário ou sob demanda, e podem ser prescritos isoladamente ou em combinação com outros tratamentos.

Antidepressivos: Um efeito colateral de certos antidepressivos é o orgasmo retardado. Por esta razão, inibidores seletivos de recaptação de serotonina (SSRIs), tais como escitalopram (Lexapro), sertralina (Zoloft), paroxetina (Paxil), fluoxetina (Prozac, Sarafem) ou dapoxetina são usados para ajudar a retardar a ejaculação.

Destes, a Dapoxetina é o medicamento mais utilizado. Mas vale lembrar que, apesar de todos estes serem remédios antidepressivos, eles não são a mesma coisa, e, para estes casos, alguns podem ser mais recomendados que outros, inclusive por conta de seus efeitos colaterais e dosagem. Para os homens, alguns podem até causar falta de desejo masculino. De qualquer forma, além disso, esses medicamentos geralmente levam de cinco a 10 dias para começar a funcionar, mas podem levar de duas a três semanas de tratamento até que você veja o efeito total.

Se os SSRIs não melhorarem o tempo de sua ejaculação, seu médico pode prescrever um antidepressivo tricíclico, o clomipramina (Anafranil). Os efeitos colaterais indesejados dos antidepressivos podem incluir náusea, transpiração, sonolência e diminuição da libido.

Analgésicos: Tramadol (Ultram) é um medicamento comumente usado para tratar a dor. Ele também tem efeitos colaterais que retardam a ejaculação. Efeitos colaterais indesejados podem incluir náusea, dor de cabeça, sonolência e vertigem.

Pode ser prescrito quando o SSRIs não tiver sido eficaz. O tramadol não pode ser usado em combinação com um SSRI.

Inibidores de fosfodiesterase 5: Alguns medicamentos usados para tratar disfunção erétil, tais como sildenafil (Viagra), tadalafil (Cialis, Adcirca) ou vardenafil (Levitra, Staxyn), também podem ajudar na ejaculação precoce. Os efeitos colaterais indesejados podem incluir dor de cabeça, rubor facial e indigestão. Estes medicamentos podem ser mais eficazes quando usados em combinação com um SSRI.

Outras possibilidades: Pesquisas sugerem que vários medicamentos podem ser úteis no tratamento da ejaculação precoce, mas é necessário um estudo mais aprofundado. Essas drogas incluem o Modafinil (Provigil), que é um tratamento para a narcolepsia do distúrbio do sono, e o Silodosin (Rapaflo), normalmente usado no tratamento para o aumento da próstata (hiperplasia benigna da próstata).

Aconselhamento

Todas estas abordagens, sendo medicamentosas ou não, envolvem conversar com um especialista. É importante lembrar que os problemas de ejaculação podem afetar a auto-estima do homem e até mesmo o seu relacionamento. Por isso, não tenha vergonha de buscar ajuda de um profissional, como um médico urologista ou psicólogo, caso venha a enfrentar este tipo de problema. Além disso, o tratamento medicamentoso muitas vezes pode funcionar ainda melhor com o acompanhamento psicológico.

Vale lembrar que estes remédios, principalmente os antidepressivos, requerem uma receita médica, às vezes sendo possível comprá-los apenas junto à uma farmácia de manipulação.
Além disso, há também exercícios, tanto físicos quanto mentais, que você pode fazer para ajudar no controle da ejaculação. Não deixe de buscar tratamento caso passe por problemas do tipo. A sua saúde íntima também faz parte da sua saúde e merece atenção.

Insistimento Portal de Notícias