Como economizar no IPVA?

O IPVA é um dos impostos obrigatórios que todo brasileiro proprietário de um veículo automotor deve pagar ao início de cada ano. Junto a ele, também devem ser pagos o DPVAT (também conhecido como seguro obrigatório) e a Taxa de Licenciamento.

Há alguma forma de fugir ou ficar isento do IPVA?

Sim. Os veículos de entidades beneficentes registradas, de aluguel, de portadores de deficiência física, oficiais e com mais de 20 anos de fabricação são isentos do pagamento desse imposto.

Mas é possível economizar se o motorista conseguir se planejar. Muitas cidades oferecem desconto para o pagamento antecipado à vista do imposto. Na cidade de São Paulo, por exemplo, o motorista que consegue quitar o seu imposto à vista poderá economizar 3% do valor total.

Ano a ano temos de nos preocupar com o pagamento do IPVA e com isso vem a dúvida de como seria a melhor maneira de pagá-lo. Aqueles interessados em comprar um carro devem ficar atentos e avaliar se compensa esperar mais um pouco e economizar.

O imposto começa a vencer no começo de todo ano e é calculado em 4%, relativos ao valor do carro. 

No primeiro mês , deve ser paga a primeira cota para aqueles que dividem a conta em três vezes ou a parcela única, com desconto de 3%. Em fevereiro, vence a segunda parcela ou o pagamento único, sem desconto. Em março é a vez do terceiro pagamento ser efetuado.

O que acontece se o dono do veículo não efetuar o pagamento do IPVA?

O proprietário não poderá tirar o novo licenciamento do veículo. Sem o licenciamento, o condutor sofre risco de receber multas, perder pontos na habilitação, ou ainda, ter o bem apreendido, ter de pagar taxa de guincho para remoção do veículo para o pátio de estacionamento e ainda a estadia até o pagamento da multa e de todos os valores devidos.

Se esse ano ficou complicado para você pagar o IPVA, não deixe de começar economizando para que o ano que vem seja mais tranquilo.

O que acontece se o dono do veículo atrasar o pagamento do IPVA?

No caso de atraso do pagamento, o dono do veículo terá de pagar, em média, 0,33% de juros por dia de atraso, além de juros baseados na taxa Selic até o limite de 20% calculado sobre o valor total.

Modelos usados

Se optar por um modelo usado, a pessoa terá de arcar com imposto. Mesmo que ela deixe para maio, por exemplo, existem duas opções: se o antigo dono tiver pago o total à vista, não haverá débitos em seu nome. Mas essa facilidade não deve vir de graça: o dinheiro gasto pode “incrementar” o valor de mercado do automóvel baseado na Tabela Fipe, por exemplo.

Veja: comprando um carro de R$ 15 mil em fevereiro do ano que vem, o gasto com IPVA vai gerar, com projeção em dados atuais, um acréscimo de aproximadamente R$ 600.

Em parcelamento, as cotas pendentes serão de responsabilidade do novo dono. Alguns consultores de mercado aconselham que será melhor se a compra puder aguardar até meados de abril.

Relacionado: Pensando em adquirir seu veículo? Saiba como é o consórcio

Modelos zero-quilômetro

Quem comprar um zero-quilômetro pagará tanto o referente ao ano corrente quanto o com base no ano seguinte. Em carros novos, o valor do IPVA é dividido de acordo com o mês em que a pessoa fez a aquisição.

Por exemplo: comprando em novembro, o motorista arcará com a proporção de dois meses do imposto (o valor total dividido por 12 meses). Mas não há desconto para o ano seguinte.

Duvide de promoções que prometem o IPVA já pago, esse valor provavelmente estará embutido na compra do produto. Continuem com o blog, sempre traremos posts úteis para todos. Até breve!

Assessoria de Imprensa